Copa em seis países aumentará pegada de carbono, dizem especialistas - VILHENA ONLINE - NOTÍCIAS DE VILHENA E RONDÔNIA

Copa em seis países aumentará pegada de carbono, dizem especialistas

Share:
Torneio está em desacordo com os compromissos climáticos da Fifa

Vilhena, RO - A decisão da Fifa de realizar a Copa do Mundo de 2030 em seis países, com os torcedores voando para mais de 100 jogos, aumentará a pegada de carbono do torneio e está em desacordo com os compromissos climáticos do órgão regulador do futebol mundial, alertaram especialistas.

Na semana passada, a Fifa anunciou que a Copa do Mundo de 2030 será disputada em Espanha, Portugal e Marrocos, mas também disse que Uruguai, Argentina e Paraguai receberiam três jogos para marcar o centenário do torneio, cuja primeira edição foi realizada em 1930 no Uruguai.

Depois de três jogos na América do Sul, de 8 a 9 de junho de 2030, o torneio segue para Espanha, Portugal e Marrocos, o que levaria a vários voos transatlânticos para equipes e torcedores.

É um grande contraste com a Copa do Mundo de 2022, no Catar, que teve apenas 32 equipes e cujos 64 jogos foram disputados em oito estádios em Doha e arredores.

“O grande problema é que o evento está crescendo continuamente”, disse a ecologista esportiva Madeleine Orr, professora assistente da Universidade de Toronto, cuja pesquisa examina os impactos da mudança climática no setor esportivo.

“Cada decisão que faz a Copa do Mundo crescer vai aumentar a pegada de carbono do evento. Essa é a infeliz verdade, é uma troca”.

“Você obtém um crescimento econômico e, como resultado, obtém uma pegada ambiental maior […]. A própria Fifa disse que está levando em consideração o meio ambiente, mas todas as ações sugerem o contrário”.

A Fifa disse que tomará todas as medidas necessárias para mitigar o impacto ambiental da Copa do Mundo, acrescentando que 97% do torneio de 2030 será realizado em três países que compartilham uma fronteira ou estão separados por poucos quilômetros.

“Em 101 jogos, o torneio será disputado em um conjunto de países vizinhos muito próximos geograficamente e com extensas e bem desenvolvidas conexões de transporte e infraestrutura”, disse a Fifa.

A entidade também disse anteriormente que estava comprometida com uma redução de 50% nas emissões de carbono até 2030 e em zerar as emissões líquidas de carbono até 2040.

Declarações enganosas

Mas em junho, um órgão regulador suíço disse que a Fifa fez declarações falsas e enganosas sobre a neutralidade de carbono e a redução do impacto ambiental da Copa do Mundo no Catar.

Quentin Cuendet, que atuou em nome da Aliança Climática Suíça com a associação Avocates pour le Climat em seu caso contra a Fifa por greenwashing (ações de maquiagem de organizações para passarem uma falsa imagem de cuidado com o meio ambiente) na Copa do Mundo de 2022, disse que não era possível para a entidade mitigar o impacto.

“O primeiro motivo é que, em torneios tão grandes, com pessoas vindas de todo o mundo, a maior parte das emissões vem dos voos. Isso é algo que a Fifa não pode reduzir”, disse Cuendet.

“É muito grande, corresponde a cerca de 80% a 85% do total de emissões. Não consigo ver como a Fifa pode se comprometer a ter algum efeito positivo sobre essas emissões”, declarou.

“O segundo motivo é que, na Copa do Mundo do Catar, a Fifa alegou que compensa parte de suas emissões […]. O que mostramos nos procedimentos na Suíça é que a Fifa não conseguiu provar que a compensação foi eficaz e teve um impacto positivo sobre as emissões da Copa do Mundo”.


Fonte: Aadi Nair e Rohith Nair - Londres (Inglaterra)

Nenhum comentário